quinta-feira, 19 de março de 2009

RESENHA - Dragon Ball Evolution. Eis a razão por se chamar "bolas do dragão": é um verdadeiro saco!


Por Nilton Rodrigues


Quando foi anunciada a adaptação do anime Dragon Ball para o cinema, os fãs do desenho oriental quase cometeram harakiri. E não é para menos, não precisava ser Nostradamus ou muito menos elevar o ki para descobrir que o filme seria um verdadeiro Kame Hame Ha no cérebro dos apreciadores da sétima arte.
Dragon Ball é um verdadeiro pilar da animação japonesa, mostrou para o ocidente que poderia introduzir personagens cativantes, mitologia oriental, aventura e violência num desenho infanto-juvenil recheado de apelos sexuais e piadas que de tão pastelão, tornava o desenho uma verdadeira pérola.
O problema do filme Dragon Ball Evolution nem são os atores que cumprem seus papéis de uma forma burocrática sem acrescentar um décimo do charme dos personagens originais, mas sim de um roteiro feito às pressas com a maior coleção de frases de efeitos da última semana. Frases como “siga seu destino”, “procure a verdade dentro de você” não deixam nada a desejar a qualquer filme do Didi.
Os cenários soam forçados no mix oriental/ocidental que o roteiro tenta se situar, perdendo uma ótima oportunidade de criar um mundo original, belo e graficamente eficiente, assim como é no anime.
Personagens clássicos como Bulma, Yamcha e Roshi desfilam pelo filme sem nenhum brilho, parecendo que estão alí apenas por um capricho do diretor James Wang, que insiste em inserí-los na história com uma má vontade tocante, esquecendo do principal: torná-los cativantes.
O que falar do vilão Picollo? James Marsters consegue ser tão canastrão e clichê quanto um vilão dos Power Rangers.
Quando se fala em Dragon Ball, o mínimo que esperamos são lutas bacanas.Aqui, elas fazem o feijão com arroz. O manjado fast-slow usado sabiamente por Zack Snyder (300, Watchmen) é aplicado sem nenhuma prática ou apelo estético interessante.
Os efeitos especiais deixam à desejar, principalmente numa história como Dragon Ball onde qualquer diretor mais visionário e apaixonado faria misérias criando mundos por computação gráfica, fazendo jus à história criada por Akira Toryama.
Enfim, Dragon Ball Evolution é o lado mais vil da indústria cinematográfica americana. Aquela capitaneada por executivos gordos que querem apenas encher seus cofres de dinheiro e vender mais bonequinhos mal feitos no próximo natal. Como repórter em eventos de anime, já vi muito cosplay e apresentações mais bem feitas que este filme.
Nota: 2

2 comentários:

Smeagol disse...

detalhe... vocês deram uma nota muito alta pelo filme dou 0,5 pelos efeitos meia boca dessa porcaria

junior dickison disse...

o filme foi uma merda mesmo...uma tosqueira...que decepção...