quarta-feira, 19 de março de 2008

Resenha: In Flames - A Sense of Purpose. "In Flames we Trust!"


Por Nilton Rodrigues


Resenhar um disco do In Flames é mais dificil que conseguir atendimento do SUS, ainda mais com uma galera que não paga imposto para gritar a plenos pulmões ao melhor estilo Pastor da Igreja Universal: "esses aí são uns vendidos", "Viraram New Metal" ou o clássico "Os das antiga eram melhores". Mas aos trancos e barrancos o In Flames lança mais uma bolachinha que promete pôr mais lenha na fogueira: A Sense of Purpose.
Mais um disco da série " Num Torrent perto de você", são 12 faixas e mais 3 bonus track, que vão me desculpar os malvadinhos do metal, é pura inspiração! Seguindo a linha do anterior "Come Clarity", ASOP continua levando o In Flames para cada vez mais longe dos guetos de Gotemburgo, atingindo o mainstream sem fazer força. Bueno, mas viemos aqui pra falar de música ou para conversar? Caro Zoneiro, a faixa de abertura "The Mirrors Truth" segue a linha das famigeradas "músicas de trabalho", o que não significa ser a melhor do CD. Refrão grudento, variações legais e um clipe estiloso que já garante o disco de Ouro (pelo menos na minúscula Suécia). Faixas mais experimentais como na pinkfloydiana "The Chosen Pessimist" podem fazer os fãs mais radicais terem o ataque fulminante de vez, pois Anders canta quase toda a música com voz limpa, parecendo em diversos momentos Bono Vox(!). Vale ressaltar a faixa "Alias", que contém o refrão mais grudento do disco, característica essa, que não se repete em abundância como nos discos anteriores. ASOP possui dificil digestão, confesso que nas primeiras vezes que escutei não gostei, mas as nuances das melodias, as pontes para os refrões são de um cuidado e capricho melódico, que só faz o cd ser mais simpático a cada audição. Jesper Stromblad é um Riffman, impressionante como esse cara consegue imprimir tamanha personalidade e inspiração em cada nota, com certeza é um dos guitarristas mais criativos da cena. Sobre a banda, não precisa se comentar mais nada, a escola Underground e os bilhões de shows mostram porque o "Infla" é uma das bandas mais entrosadas do planeta (bandas iniciantes, estrada é tudo). Ok, até agora falamos de som e de certa maneira gosto pessoal (ou ainda vocês acreditam na neutralidade dos críticos?). Agora, se quiserem falar "mas o In Flames é New Metal", ou outros papinhos "True Metal véio", aconselho a abrirem a cabeça musicalmente, pois abitolação é um veneno para a evolução.
NOTA: 9